menu

13 de junho de 2018 às 02:00

'Tony' Bourdain era simples e excêntrico, assim como os pratos que descobria

?Life does not suck? foi o que Anthony Bourdain me disse em uma de suas visitas ao Brasil. Ele tinha razão e concordei brindando com uma caipirinha, um dos drinques brasileiros que ele mais apreciava.

“Life does not suck” foi o que Anthony Bourdain me disse em uma de suas visitas ao Brasil. Ele tinha razão e concordei brindando com uma caipirinha, um dos drinques brasileiros que ele mais apreciava.

Para mim, a comemoração era dupla porque reunia também a satisfação de ter cumprido outra missão: reverter a impressão que ele tinha de São Paulo. Polêmico por natureza, no passado ele considerava a cidade feia â?”pelo estresse, lotação e agitação. 

Não contava, porém, com o carisma das pessoas, os intensos sabores, os aromas inconfundíveis e os costumes daqui.

Já sabia de sua sinceridade ímpar quando o conheci na noite de autógrafos do livro “Em Busca do Prato Perfeito”, em setembro de 2001, em Nova York. Sem filtros ou cerimônias, não hesitou em ressaltar sua opinião ao recusar meu convite para vir para cá. 

Após dois anos de conversas, enfim ele cedeu. Enquanto descíamos a Serra do Mar em direção à Barra do Sahy, foi baixando a guarda. 

Quando chegamos à praia, imediatamente ele pegou uma tesoura, cortou a calça jeans e mergulhou nas ondas. Assim nos tornamos amigos.

Apesar de já ter provado sua comida no restaurante Brasserie Les Halles, em Nova York, foi em um jantar na casa da minha sobrinha, em 2003, que tivemos a oportunidade de cozinhar juntos.

Após um pulo no Ceasa, Tony preparou um grelhado de foie gras com cherimoia, fruta que, segundo a lenda, era oferecida aos deuses pelos incas. 

Uma combinação simples e excêntrica, como a personalidade única de Tony. Amante de pratos despretensiosos e viciado em descobertas, conquistou milhares de fãs pela espontaneidade, ausência de preconceitos e extravagâncias gastronômicas.

Ele era exatamente como víamos nas câmeras: um homem de extremos, grande coração, que trazia sua verdade com nuances irônicas. 

Circulava em todas as esferas, fazia refeições na rua, em espaços requintados ou sentado no chão. Ao conversar, sempre mantinha o olhar profundo, com total atenção. Definitivamente, gostava de estar rodeado de gente e provava de tudo, sem frescuras.

Coincidentemente, dias atrás me deparei com um email seu de 2016, quando  veio para Belo Horizonte e não pudemos nos encontrar para dividir uma feijoada.

Não havia espaço na agenda corrida. “Unfortunately no time to play”. A vida definitivamente não é ruim, mas certamente não é um mar de rosas.

Rosa Moraes é diretora de gastronomia  da Laureate Brasil

Fonte: FOLHA

comentários

Estúdio Ao Vivo

sobre nós

A Rádio Diocesana AM, localizada na cidade da Campanha, Sul de Minas Gerais,  é uma emissora da Fundação Cultural  e Educacional Nossa Senhora do Carmo. Sua programação está pautada sobre os pilares da informação, da formação, da cultura e do entretenimento.


facebook

Streaming by: