10 de julho de 2018 às 02:00

Mais integradas, judias ultraortodoxas de Israel alimentam nicho fashionista

Elas subvertem o conservadorismo em nome de uma paixão: a moda.

Elas subvertem o conservadorismo em nome de uma paixão: a moda.

Um número crescente de mulheres judias ultraortodoxas se dedica à criação de roupas femininas para um mercado ávido por modelitos elegantes, mas modernos, sem perder de vista estritas regras.

Vestidos ou saias devem ser longos. Nada de calças. Nada de ombros, cotovelos ou joelhos à vista. Nada de decotes ou cortes que revelem a silhueta. Mulheres casadas devem usar perucas, boinas ou panos para esconder o cabelo. Elegância sem decadência. Ou, no jargão religioso: modéstia.

Em Israel, 12% da população é de judeus ultraortodoxos, os chamados haredim ("tementes a Deus"). São pouco mais de 1,3 milhão de pessoas que seguem um judaísmo austero. Mas, mesmo se tradição é a palavra-chave, esse mundo não é imune a novidades.

A socióloga Sima Zalcberg, da Universidade Hebraica de Jerusalém diz que, nos últimos anos, as mulheres haredim têm se integrado mais.

"Muitas estão trabalhando fora e querem se vestir bem, mesmo mantendo os ritos sociais e preceitos religiosos. Maquiagem e cores vibrantes, tabus no passado, estão se tornando comuns."

Segundos dados de 2016, 73% da mulheres dos 25 aos 64 no setor trabalham fora, enquanto mantêm o tradicional papel de responsáveis pela casa e pelos filhos.

Para atender à demanda por roupas elegantes, mas pudicas, Hani Dobkin, 40, criou, há três anos, a escola de moda que leva seu nome, a primeira do setor haredi em Israel.

No alto de um moderno arranha-céus em Bnei Brak â?”cidade que, com Jerusalém, concentra grande parte da comunidadeâ?”, a estilista recebe alunas de todo o país.

"Para muitas, é como um tratamento psicológico", conta Dobkin. "Já houve rabinos que sugeriram que estudassem moda para superar a crise de meia-idade após darem à luz muitos filhos" â?”a média de natalidade entre ultraortodoxas é de sete filhos.

A escola as ajuda a encontrar inspiração. Muitas nunca usaram a internet ou leram jornais de grande circulação.

Dobkin e suas professoras expõem as pupilas a criações internacionais. Uma das maiores influências é a família real britânica, com roupas aristocráticas que misturam, segundo elas, bom gosto e recato.

Miri Beilin, 37, é uma das professoras. Dona de um salão para noivas e mãe de cinco, é o oposto do estereótipo das ultraortodoxas: equilibra seu mais de 1,80 m sobre saltos altos, usa meias e vestidos coloridos, muita maquiagem e peruca comprida e ondulada.

"Não está escrito em nenhum lugar da Torá que mulheres não devem ser bonitas", frisa. "Às quintas, preciso usar vermelho para me energizar", diz, ressaltando que tudo é feito com aprovação do marido.

Muitos rabinos, porém, não aprovam as novas fashionistas. Segundo a socióloga Sima Zalcberg, isso se deve ao fato de que duas tendências contraditórias disputam espaço na comunidade ultraortodoxa: de um lado, a de integração; de outro, a volta à tradição.

Fonte: FOLHA

comentários

Estúdio Ao Vivo

sobre nós

A Rádio Diocesana AM, localizada na cidade da Campanha, Sul de Minas Gerais,  é uma emissora da Fundação Cultural  e Educacional Nossa Senhora do Carmo. Sua programação está pautada sobre os pilares da informação, da formação, da cultura e do entretenimento.


facebook

Streaming by: